O mantra Ho’oponopono

A palavra “ho’o” significa “causa” em havaiano, enquanto “ponopono” quer dizer “perfeição”. O termo “ho’oponopono” pode ser traduzido como: “corrigir um erro” ou “tornar certo”. O termo se tornou conhecido a partir de uma experiência vivenciada pelo terapeuta e professor, Ihaleakala Hew Len.

Trata-se de uma prática que não requer muitos ensinamentos, mas é poderosa para purificar o próprio corpo e se livrar de memórias ou sentimentos ruins, que prendem a mente em uma sintonia negativa. 

O principal objetivo do ho’oponopono é buscar a cura desses problemas por meio do perdão. Não necessariamente o perdão dos outros, mas, principalmente, o de si mesmo.

Isso é feito com a compreensão de que o que acontece com você não importa, mas o que você fará com aquilo que aconteceu é o que realmente interessa. Se a sua mente e seus pensamentos te causaram problemas, eles também são capazes de resolvê-los. A prática do ho’oponopono é composta por quatro frases principais:

Sinto muito; Me perdoe; Eu te amo; Obrigado.

Quando você diz ‘Sinto Muito’ está assumindo a responsabilidade pelos seus atos e pensamentos e demonstrando a sua vontade de mudar. 

Quando diz ‘Me Perdoe’, mostra-se arrependido pelo que já pode ter causado de mal e inicia-se o processo de limpeza. 

Com ‘Eu te amo’ você confirma a energia positiva do processo, transmutando a energia bloqueada dos maus pensamentos e memórias para uma energia fluida que será liberada de você. 

Por fim, quando diz ‘Obrigado’ expressa a gratidão e a fé que você tem neste processo de cura e libertação, agradecendo à Divindade por ele.

Todas elas procuram guiar o praticante na passagem por essas quatro etapas sentimentais: arrependimento, perdão, amor e gratidão.

A simples repetição dessas palavras é capaz de ativar a liberação de bloqueios, lembranças negativas e traumas para que você assuma um controle mais tranquilo sobre o próprio corpo e a própria vida.

O que é ho’oponopono

É um método de autocura de origem havaiana que libera as energias tóxicas dos pensamentos dolorosos, padrões e crenças limitantes, gravados em nosso inconsciente, que se repetem frequentemente causando bloqueios e desequilíbrios em nossa vida. Você tem a oportunidade de curar sua vida e eliminar essas memórias que estão enraizadas em sua essência. Venha promover mudanças permanentes, abrindo espaço para abundância, plenitude e paz interior. Continue lendo

O que é Japamala

O japamala é um cordão sagrado feito de contas (Contas são as bolinhas do Japamala), usado para ajudar o praticante de meditação a entrar no estado meditativo. No yoga e no hinduísmo, possui em geral 108 contas ou divisores (54 ou 27). Em algumas linhas do budismo, possui ainda 3 marcadores, totalizando 111 contas.

Japamala ou “Mala” é uma palavra sânscrita que tem como raiz verbal (jap) que significa “sussurrar, ou murmurar”. “Mala” significa cordão de energia ou cordão de contas.

Quanto mais você utilizar o Japamala, mais ele será imantando com sua própria energia. Utilizando de modo apropriado, ele chegará a se converter em poderoso amuleto, ou talismã, que lhe trará sorte, saúde, proteção, prosperidade, felicidade, consciência e realização espiritual.

O uso aumenta nosso poder de comunicação espiritual, elevando a consciência, promovendo a cura e na solução de problemas. Ao recitar os mantras atingimos á proteção e direção espiritual, lembrando que a respiração deve ser lenta e profunda.

Mais que um mero colar, o japamala é uma forma de comunhão com o aspecto divino-consciente da existência. Sua origem remonta ao 3º milênio antes de Cristo, na região que hoje conhecemos como Índia.

Para budistas tibetanos, o Mala é uma ferramenta que ajuda a focar a mente. Usa-se o Mala para recitar mantras e orações, você o imbui da energia dessas preces tornando-o um objeto sagrado, símbolo de bênçãos e de proteção. A repetição desses sons sagrados abre o coração para o amor e a compaixão.

Como usar um Japamala

Maneira correta de segurar o Japamala

Entre as diversas maneiras de segurar o mala a forma tradicional na Yoga é segurá-la com a mão direita entre os dedos médio e polegar. O polegar é usado para ir movimentando a mala. O dedo indicador não encosta na mala pois geralmente representa o ego na tradição yogi.

A prática começa na primeira conta da mala, localizada ao lado do Meru (conta maior principal). A cada mantra repetido, movem-se os dedos para a conta seguinte, até que a última conta antes do meru seja alcançada. O meru nunca é ultrapassado. Para se fazer mais do que uma volta, tradicionalmente deve-se prosseguir no sentido inverso.

Por que o número 108 nos Japamalas?

O Japamala é utilizado para contar mantras em grupos de 108 repetições. O número “108” é considerado um número sagrado, por diversas razões matemáticas, físicas e metafísicas. 108 é o resultado de nove vezes o número doze (9×12=108).

O poder dos nove ou novena é prática antiga e poderosa na religião católica. Porém, qual é a explicação deste poder?

O número 3 representa o poder da Chama Trina, ancorada no coração dos filhos e filhas de Deus. É a chama do Poder, da Sabedoria e do Amor de Deus manifestando-se no homem; a trindade do Pai, do Filho, e do Espírito Santo.

Multiplicando o poder da chama da Trindade no coração, pelo poder da origem desta Chama Trina, no coração da Poderosa Presença do EU SOU individualizada, encontramos o resultado de três vezes três, o poder do número nove (3×3=9). Nove é o numero do Espírito Santo. Continue lendo

Dica de respiração para uso com Ho’oponopono

É muito importante durante as repetições se levar 2 segundos para inspirar, leve 4 segundos para expirar todo o ar se seu pulmão. Vá aumentando gradativamente o espaço entre as respirações conforme for praticando.

Inspira: Sinto muito;
Expira: Me perdoe;
Inspira: Eu te amo;
Expira : Obrigado.